Cirurgia Bariátrica

O número de indivíduos com obesidade aumenta no mundo a cada dia e a CIRURGIA BARIÁTRICA vem se tornando um importante aliado no tratamento de pacientes com obesidade.

Conheça as 3 coisas que você precisa saber sobre este procedimento.

1 – Gastroplastia, também chamada de cirurgia bariátrica, cirurgia da obesidade ou ainda de cirurgia de redução do estomago é – como o próprio nome diz – uma plástica no estômago (gastro = estômago e plastia = plástica). Ela tem como objetivo reduzir o peso de pessoas com o IMC muito elevado.

2 – Esse tipo de cirurgia está indicada, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), para pacientes com IMC acima de 35 Kg/m² que tenham complicações como apneia do sono, hipertensão arterial, diabetes, aumento de gorduras no sangue e problemas articulares, ou para pacientes com IMC maior que 40 Kg/m² que não tenham obtido sucesso na perda de peso após dois anos de tratamento clínico (incluindo o uso de medicamentos).

3 – Existem três tipos básicos de cirurgias bariátricas: restritivas, mistas e disabsortivas.

As cirurgias que apenas diminuem o tamanho do estômago são chamadas do tipo restritivo (Banda Gástrica Ajustável, Gastroplastia Vertical com Bandagem ou Cirurgia de Mason e a Gastroplastia Vertical em “Sleeve”).

A perda de peso se faz pela redução da ingestão de alimentos.

Existem também as cirurgias mistas, nas quais há a redução do tamanho do estomago e um desvio do trânsito intestinal. Há, além da redução da ingestão, a diminuição da absorção dos alimentos. As cirurgias mistas podem ser predominantemente restritivas (derivação Gástrica com e sem anel) e predominantemente disabsortivas (derivações bileopancreáticas).

A cirurgia bariátrica é um procedimento que visa alterar e melhorar diversas condições biológicas do paciente, com o intuito de reverter um quadro de obesidade.

Este tipo de intervenção é indicado quando os tratamentos conservadores — tais como mudanças na alimentação, prática regular de exercícios físicos e uso de medicamentos — não trazem mais efeitos positivos ao indivíduo.

Popularmente conhecida como “redução de estômago”, a cirurgia bariátrica é capaz de proporcionar ao paciente um processo saudável de emagrecimento, ajudando diretamente no combate a doenças metabólicas e complicações da obesidade. Trata-se, portanto, de um procedimento que promove a saúde do paciente obeso, e jamais deve ser indicado para combater sobrepeso e questões estéticas.

Obesidade

Com prevalência crescente no Brasil e no mundo, a obesidade é uma doença crônica.
O tratamento da doença não é algo simples, é necessário mudança de estilo de vida, alimentação equilibrada e prática regular de atividade física. Em alguns casos requerendo a terapia farmacológica em e, nos quadros mais graves, a cirurgia bariátrica.

A obesidade é uma doença crônica, que se caracteriza principalmente pelo acúmulo excessivo de gordura corporal. O número de pessoas obesas tem crescido rapidamente, tornando a doença um problema de saúde pública.

No Brasil, existem mais de 20 milhões de indivíduos obesos.

Na população adulta, 12,5% dos homens e 16,9 % das mulheres apresentam obesidade e cerca de 50% têm excesso de peso (sobrepeso).

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), a obesidade é um dos principais problemas de saúde pública hoje no mundo. Estima-se que no ano 2025 haverá 700 milhões de obesos no mundo e cerca de 2,3 bilhões de pessoas com sobrepeso.

Antes de tudo, é importante ter claro que a obesidade é considerada uma doença. Uma doença que ocasiona outras doenças. Por conta disso, costuma-se dizer que a obesidade é a mãe das doenças metabólicas, como o diabetes e a hipertensão.

São doenças crônicas que afetam a qualidade e a expectativa de vida.

Como há uma relação direta entre obesidade e doenças metabólicas, o aumento do número de pessoas obesas resulta no aumento da incidência das doenças metabólicas como o diabetes tipo 2 e a hipertensão.

A cirurgia bariátrica normalmente está indicada para pessoas com obesidade acima de grau II que não mostraram resultados após vários meses de tratamento com dieta adequada e prática de exercício físico regular.

Esta cirurgia geralmente só é indicada para pessoas com idade entre os 16 e os 65 anos e, só é indicada pelo Ministério da Saúde do Brasil nos casos de:

  • IMC igual ou superior a 50 kg/m²;
  • IMC igual ou superior a 40 kg/m², sem perda de peso mesmo com acompanhamento médico e nutricional comprovado durante, pelo menos 2 anos;
  • IMC igual ou superior a 35 kg/m² e presença de outras doenças de risco cardiovascular elevado, como pressão alta, diabetes descontrolada e colesterol alto.

Ao mesmo tempo, o Ministério da Saúde também indica alguns casos em que a cirurgia bariátrica está desaconselhada e que incluem: ter um transtorno psiquiátrico não controlado, incluindo o uso de drogas e bebidas alcoólicas; ter uma doença cardíaca ou pulmonar grave e descompensada; ter hipertensão portal com varizes esofágicas; ter doenças inflamatórias do trato digestivo alto ou sofrer de síndrome de Cushing por câncer.

Além da perda significativa de peso, a cirurgia bariátrica também traz benefícios relacionados às doenças associadas à obesidade, com melhoria e cura de doenças como:

  • Hipertensão arterial;
  • Insuficiência cardíaca;
  • Insuficiência respiratória;
  • Asma;
  • Diabetes;
  • Colesterol alto.

Este tipo de cirurgia também está muitas vezes associado a outras vantagens sociais e psicológicas, como diminuição do risco de depressão e aumento da autoestima, da interação social e da mobilidade física.

Tipos de cirurgia bariátrica

Bypass Gástrico

Cirurgia bariátrica que consiste na redução do tamanho do estômago e na alteração do intestino, diminuindo o espaço disponível para a comida e reduzindo a quantidade de calorias absorvidas.

Sleeve Gástrico

Cirurgia bariátrica feita com o objetivo de tratar a obesidade mórbida, consistindo na remoção da parte esquerda do estômago, o que faz com que exista uma diminuição da capacidade do estômago para armazenar comida. Esta cirurgia pode levar à perda de até 40% do peso inicial.

Bypass ou Sleeve: Qual a diferença?

Tanto o bypass gástrico como o sleeve são cirurgias bariátricas para perda de peso. No entanto, no bypass gástrico o tamanho do estômago é reduzido e é feita uma ligação direta do estômago com o intestino delgado, para reduzir a quantidade de alimento ingerida e sua absorção.

Já o sleeve gástrico, é uma técnica cirúrgica em que o médico remove uma grande parte do estômago permitindo que a pessoa coma menos e emagreça, mas não faz nenhuma alteração no intestino, não diminuindo a absorção dos alimentos. 

Outro ponto importante é que o Sleeve Gástrico apresenta uma perda de peso potencialmente maior do que a do procedimento de banda gástrica ajustável, entretanto, essa tende a ser menor do que a registrada em técnicas como o Bypass Gástrico.

Dúvidas Frequentes

Locais de Atendimento

Praia de Cabo Branco

Cedrul Bancários

Clínica Cardiológica

Open chat
Agende aqui sua consulta